16 de set de 2014

Podes te esquecer todas as noites
que no fim há de ventar.

Todo o zêlo com que
empurraste as folhas
prum lugar onde não
sujem as pedras do teu
quintal,
terá sido tudo em vão.

Madrugada de ciclone
e maus agouros,
diz o mapa.

O satélite que orbita
agora em ti
está feliz:

foi-se o tempo de
vagar na escuridão.

Nenhum comentário:

como um menino que sonha com pilhas - substantivo que mal cabe no poema - amarelas e que soltam faíscas que acendam as luzes as engrenagens ...