17 de ago de 2017

eu sei da umidade em que tu chafurdas
e sei dos monstros que estão sobre a cama
na hora em que te deitas eu sei que atrás da 
porta reside o medo e atrás da cortina a claridade
há de te cegar se ousares abrir a janela eu sei
que o número de imagens que te chegam
é impossível de calcular é impossível ordenar
em palavras eu sei que a noite é a vingança do 
dia sei que as manhãs são a herança da insônia
eu sei de ti e dos teus medos
dos teus segredos de menino
do teu choro mansinho que 
acaba sempre em convulsão
eu sei de ti
porque eu
também.

Nenhum comentário:

fazer do último suspiro vendaval terremoto deste peito inerte chorar vendavais guardados desde a primeira vez que engoli o choro iss...