16 de jan de 2015

Me roubaram teus poemas
e os olhos com que te via
em preto e branco.

Te dizia que me deste
coragem e humanidade
para cruzar a Chacarita
e sua pobreza tão digna;
que saudade se sente
porque se ama e que
a vida não é somente feita
de distâncias,
sino también de
reencontros.

Te encontro!

Nas mensagens dos muros,
no falar dessa gente,
nos olhos das crianças que
me vêm vender cigarros.

Te encontro nestes
invernos matinais,
nos silêncios dominicais
e nas montanhas que se
levantam adiante.

Já não passará mais
um domingo em que me
acorde assustado.

Pois quando suspirares
me crendo distante de mais,
já poderás me mirar:
estarei do teu lado.

Cochabamba, 03/01/2015.

Nenhum comentário:

[duns inéditos aí] um carimbo exatamente aqui duas assinaturas de testemunhas três vias que serão analisadas por altos funcionários e co...