14 de dez de 2015

o poema
pra existir
necessita
desse
silêncio.

o poema
necessita
do hiato
que se forma
quando pára
finalmente
de chover.

o poema
para haver
necessita
desse porão
acinzentado
que a gente
leva consigo
por onde quer
que se ande.

o poema
necessita de mim
e de ti

nunca
n
e
cessa
r
ia
mente
nessa
mesma
ordem.

Nenhum comentário:

eu sei da umidade em que tu chafurdas e sei dos monstros que estão sobre a cama na hora em que te deitas eu sei que atrás da  porta res...