14 de dez de 2015

um abraço de pai
como quem diz
"meu filho",
mas não diz.

dialeto que se
encerra em si
mesmo: tenho
vontade de dizer
que vai dar tudo
certo, mãe.

não poderei nunca
ser pai,
eu tão órfão de
mim mesmo.

faz dezembro,
faz verão,

mas é como se
não fosse.

Nenhum comentário:

como um menino que sonha com pilhas - substantivo que mal cabe no poema - amarelas e que soltam faíscas que acendam as luzes as engrenagens ...