6 de fev de 2016

dona miranda
alugou um quarto
para carminha,
de quem cuidava
como se fosse filha,
conta hoje minha
mãe.

[anos depois,
uma tarde fria,
visitaríamos seu velório
com tristezas e
ave-marias]

um dia - a luz do
século XX ainda
reluzia - dona
miranda encontrou
um companheiro,
nome já esquecido,
que construía uns
instrumentos de madeira
com suas próprias
mãos.

numa visita, encantado
que fiquei com o instrumento,
ganhei de presente o meu
próprio protótipo de violão.

em hum mil novescentos
e noventa e hum,
num colégio pobre de
meninos pobres,
subi ao palco para cantar
uma nuvem de lágrimas,
de chitãozinho e xororó.

não sabia fazer direito,
não sabia cantar direito,
não sabia tocar o instrumento
que me haviam presenteado.

dona miranda, de certa
forma, teria sido indiretamente
responsável pela minha
primeira vergonha.

por todas as outras ,
até hoje e pra sempre,
eu me responsabilizo.

Nenhum comentário:

[duns inéditos aí] um carimbo exatamente aqui duas assinaturas de testemunhas três vias que serão analisadas por altos funcionários e co...