20 de mai de 2016

daqueles tempos
posso dizer que

havia poeira na
garganta

os domingos eram
intermináveis

apresentadores
de tv inebriavam
senhoras solitárias

a gente tinha uns
planos secretos

a gente insistia
nos erros

e os apresentadores
de jornal
anunciavam dias melhores

a gente não acreditava
mas não tinha como
desmentir

a gente não acreditava
e esperava
esperava
esperava

daqueles tempos
posso dizer

daqueles tempos
ouso dizer

que o tempo nunca
passou

e aqueles tempos
são hoje.

Nenhum comentário:

como um menino que sonha com pilhas - substantivo que mal cabe no poema - amarelas e que soltam faíscas que acendam as luzes as engrenagens ...