20 de mai de 2016

eu precisava trabalhar
a cara enfiada no
monitor dum computador
amarelado.

eu precisava acordar
cedo e acreditar
que o futuro
ah, o futuro não
repetirá o passado.

eu precisava
mostrar que sou
forte e ademais
pragmático.

foi quando surgiu
o poema
e a poesia
do dia-a-dia
espalhou palavras
por todos os lados.

Nenhum comentário:

um inventário com todos os mortos inclusive aquele jovem velado pelo pai de barba muito branca na sala de casa eu disse a carminha: morreu o...