5 de mai de 2016

o frio não quer
nada da gente:
quer a gente

inteiros
desnudos
incertos
confusos.

o frio nos
quer cedo
pela manhã
observando

pensando
em outras
manhãs

pensando
em outros
invernos

que ainda
não passaram

que ainda
tardam chegar.

o frio não quer
nada da gente:
quer a gente
entre seus dentes

eu te digo:
vai chover,
vai ventar

não há
saída sabida.

esquentar parece
promessa,
mas faz parte da
farsa

faz parte
da mesma
mentira.

Nenhum comentário:

um inventário com todos os mortos inclusive aquele jovem velado pelo pai de barba muito branca na sala de casa eu disse a carminha: morreu o...