21 de jul de 2016

8 anos na repartição
e poucas vezes um abraço de
reecontro como aqueles
que a gente vê nos
filmes e pensa que bonito
seria, mas são 8 anos de mãos,
de apertos de mãos.

4 anos de faculdade
e nenhuma promessa de
eternidade como naquele
banco de praça que nos
ouviu escrever uma peça
sem graça que tratamos
como muito importante
até hoje.

faz 2 anos, um taxista
boliviano filho da puta
levou as câmeras, levou
a mochila com as câmeras
passaporte ticket de entrada
dinheiro caderno poemas
e fiquei 11 dias com o cu
na mão e com saudade
de meu pai - sentimento
patético, óbvio, como não
poderia deixar de ser,
afinal eu es tava perdido
na bolívia.

quando houve promoção
de super-8 eu não
tinha grana e não sabia
exatamente o que fazer
com uma super-8.

tivesse comprado ,
faria aqueles filmes ruins
em que as pessoas se abraçam
e a gente fica pensando
que bonito seria.

Nenhum comentário:

será fim de tarde daqui a pouco e veremos os suicidas fazendo fila em cima da ponte do tamarindo para decidir quem pula e quem não levi...