4 de mai de 2015

Vejamos a poesia:
veio comigo do pó
e não me larga do pé.

Não adianta o quanto eu dê a ré,
ela vai adiante;
magrela, banguela e tapada.

Tão desengonçada, coitada,
que nem merece atenção.

A não ser, é claro,
que me vista de literato
[o dedo em riste
e o pau na mão],
e saia correndo pelado
pela rua Quinze, na contramão!

Mas então não será o poema
o que estará em questão:
será o insano desfeite,
será o tirano deleite
do jornaleco da televisão.

Poesia é outra coisa, parece.
Uma história, uma praga, uma prece.
Destino que se cumpre
e envelhece.

Sem senão.

Nenhum comentário:

[duns inéditos aí] um carimbo exatamente aqui duas assinaturas de testemunhas três vias que serão analisadas por altos funcionários e co...