3 de dez de 2015

paus.e.pedras

- ela apanhou porque
mereceu.

- enrabei o magrelinho
que além de veado
era ateu.

- coisa melhor do
que ter seu próprio
macaquinho
de estimação?

[eles falavam tanto
de classe,
fazer levantar as massas,
fazer a revolução

- o branco, mais uma vez;
o homem que a si
se vê como seu o pau
lhe garantisse redenção]

paus e pedras,
paus e pedras.

na primavera das datas,
mais do que arco-e-flecha
havia ali um silêncio
trancado.

(não se interrompe
silêncio, não se
amarra, não se
dissipa)

na primavera das datas,
se estava ensaiando,
em silêncio, o grito
que ouvirás daqui uns dias.

ele te dirá que te dispas
de todas tuas verdades,
de todas tuas mentiras.

ele te dirá que é tarde
para ti e tua latrina
(a boca pela qual falas
em nome dos pretos,
dos indígenas,
dos meninos e
das meninas).

se já não sabes mais
em qual direção,
o precipício.

ou será pra sempre
isso:

paus e pedras,
paus e pedras.

Nenhum comentário:

eu sei da umidade em que tu chafurdas e sei dos monstros que estão sobre a cama na hora em que te deitas eu sei que atrás da  porta res...